segunda-feira, 4 de maio de 2009

O preconceito aumenta a cada dia... E o que você tem a ver com isso?

A cada passo contra o preconceito que a luta pelos direitos homossexuais dá a frente, parece que dois são dados para trás... Quantas notícias boas, sérias e relevantes de avanços dos direitos fundamentais negados aos homossexuais tem surgido na mídia e acontecido realmente na prática? Será que uma Conferência Nacional, além de inúmeras Ong's, blogs, novela da globo com personagens gays, Paradas do Orgulho Gay espalhadas pelo país tem surtido algum efeito na conscientização da população?

Infelizmente a triste realidade que continuamos vivendo de desrespeito aos direitos fundamentais que cada ser humano tem direito através da Constituição Brasileira e da Declaração Universal dos Direitos Humanos são resultantes de falta de Políticas Públicas destinadas às minorias (no caso, os homossexuais) que realmente sejam colocadas em prática, da falta de preparo de professores para lidar com o assunto, da visibilidade má explorada dos homossexuais pela mídia, da discriminação religiosa, entre outros.

A homofobia pode ser comprovada pelos números de agressões que gays, lésbicas e transgêneros sofrem todos os dias em casa pela própria família, na escola, nos locais públicos, entre todas as outras esferas de convívio social. O ódio, a aversão, agressão física e psicológica, não são mais causas de estranhamento entre as pessoas e estes acontecimentos até parecem ser banais por terem se tornado tão frequentemente mencionados na mídia. A sensação é que todos já se acostumaram a ver o "viadinho" ou a "sapatona" mortos, estuprados ou esquartejados em manchetes senscionalistas de jornais e revistas que, como a mídia em geral, despejam quantidade enormes de informações sem o intuito de formar qualquer senso crítico.

Para aumentar a gravidade do problema muitas pessoas apoiadas em crenças religiosas sustentam seus argumentos homofóbicos através de uma leitura literal da bíblia. O que nunca se questiona é a validade destes argumentos para a atualidade. As inúmeras modificações que a bíblia sofreu ao longo dos séculos para atender aos interesses de pessoas sem escrúpulos e a adequação lógica aos valores culturais da época em que os textos foram escritos a tornam totalmente contraditória em muitos pontos. Muito constantemente, fundamentalistas dessas religiões se apóiam nestes escritos para introjetarem em seus “fiéis” e na sociedade em geral o sentimento de culpa e pecado para a homossexualidade. Uma das coisas que contribui para que a sociedade permaneça homofóbica é o fato de o preconceito contra homossexuais ser validado pela religiosidade.

Além disso, as escolas não têm professores qualificados o suficiente para lidarem com as “diferenças” dos alunos. Essa é uma grande falha que contribui para a evasão escolar de alunos homossexuais e transgeneros que por consequencia disso são ainda mais vulnerabilizados pela exclusão social resultante da homofobia. Até quando a escola não conseguirá cumprir o papel relevante que deveria ter na formação de cidadãos com espírito investigativo e questionador da realidade em que vivem?

Apesar dos grandes esforços do Ministério da Educação em melhorar a qualidade no ensino, faltam recursos, infra-estrutura e, principalmente, boa formação do corpo docente. Dados preocupantes são de duas pesquisas feitas pela Unesco em 2004 que ilustram a gravidade do preconceito nas escolas: uma delas, entre os alunos, descobriu que 40% dos meninos brasileiros não querem um colega homossexual sentado na carteira ao lado; outra, com professores, mostrou que 60% deles consideram “inadmissível” que uma pessoa mantenha relações com gente do mesmo sexo. Como um professor que não consegue lidar com a homossexualidade vai conseguir evitar que o preconceito seja arraigado entre os alunos e repassado aos outros? Não é dever da escola educar? Mas infelizmente a escola não educa para a diversidade.

O movimento ativista homossexual conseguiu avançar em importantes discussões através da exposição da mídia de temas que até então eram ignorados e invisibilizados como a adoção de crianças por casais homossexuais, a união civil e mais as dezenas de direitos advindos dela, as Paradas do orgulho gay, etc. Ao mesmo tempo que estas discussões são importantes para a diminuição da homofobia elas têm se tornado uma oportunidade para os fundamentalistas religiosos entre outros grupos expressarem todo o seu preconceito contra os homossexuais.

Um bom exemplo para ilustrar a imensa homofobia presente nos comentários das pessoas em relação ao avanço da exposição nas conquistas homossexuais é esta reportagem da revista Época:


E o que você tem a ver com isso? TUDO!!!

Existem muitos outros motivos pelos quais o preconceito e a discriminação aos gays, lésbicas e transgeneros são perpetuados, mas você pode mudar essa situação!

Tem muitas formas de se contribuir com a transformação dessa realidade! O simples fato de você repassar boa informação a respeito do assunto para os amigos e outras pessoas de seu convívio. Também ao ensinar seus filhos, sobrinhos, primos ou outra criança e/ou adolescente a respeitar as diferenças. Ou até mesmo ao se filiar a algum movimento, ong ou partido que luta contra a homofobia!

Você não precisa ser homossexual para respeitar um homossexual.Também não precisa ser gay para se identificar com a causa. É dever de todos participar da construção de um mundo com mais justiça, dignidade e igualdade para cada ser humano que nele habita (pense, daqui a algum tempo vão ser seus filhos!).

2 comentários:

Silmara disse...

Palmas para o texto, lindo. Educar cada criança com o não preconceito, dar exemplos de não preconceitos, pode ser o primeiro passo para a construção de um mundo melhor. Só poderemos ter um lugar melhor para viver se começarmos a construi-lo desde já, com ações, com atitudes. O que a gente ganha com isso: Um mundo melhor, um mundo onde as pessoas não vão morrer por ter orientação diferente, religião diferente ou por qualquer outra diferença que alguem acredite que deve ser punida.

Grazi... disse...

Obrigada Silmara! Palmas também para o seu comentário! Só pelo simples fato de as pessoas começarem a refletir sobre a incoerência e o absurdo de seus preconceitos, com certeza, o mundo já estará se transformando!!! As atitudes serão consequências desse primeiro momento importantíssimo: conscientização! Grande abraço!!!