segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

Muito prazer: o sexo lésbico

Sexo entre mulheres é algo bem maior do que o senso comum sugere

Quem nunca passou por esta situação: você está numa roda de amigos e amigas, sendo você a única lésbica, conversando sobre sexo, e então um deles pergunta "Mas sabe o que eu não consigo entender? O que duas mulheres fazem na cama?" E todos te olham como se essa fosse a dúvida mais normal do mundo...
Toda vez que me perguntam isso fico sem entender. Não acreditava ser possível as pessoas terem uma visão de sexo tão estreita assim. E isso não inclui somente os heterossexuais: vários gays já em fizeram esta pergunta.

Mas uma cena do The L Word me mostrou que esta é uma visão generalizada. Na cena, Tim (ex-marido de Jenny), ao confrontar Marina sobre o flagra que havia dado nas duas, pergunta se o que duas mulheres fazem na cama pode ser considerado sexo. Marina, sem perder a pose, responde: "Você viu, pode responder por mim."

Percebi então que o que o senso comum considera como sexo é quase que simplesmente o tempo decorrido entre a penetração do pênis e o gozo. Tudo o que acontece antes e depois disso é considerado preliminar ou supérfluo. E tudo o que acontece sem um pênis não é considerado sexo.
Intrigada, fui pesquisar no dicionário (Aurélio e Houaiss): Sexo: sensualidade, lubricidade, volúpia, sexualidade. Fazer sexo: copular, fazer amor.Copular: unir, ligar, juntar.

Confirmei então minhas suspeitas: o que o senso comum considera como sexo é algo bem menor do que a própria definição do termo sugere. E percebi que nós, lésbicas, somos privilegiadas. Simplesmente porque quando nos relacionamos com outra mulher, já fugimos do senso comum, dos padrões, do que é pré-estabelecido. Temos que ser criativas, abertas, descobrir diversas formas de dar e obter prazer que vão muito além daquele feijão com arroz que a maioria acha que é sexo.

Aprendemos a usar como órgãos sexuais várias outras partes do corpo além da vagina. Aprendemos a usar maravilhosamente as mãos, a boca, os dedos, a língua, as pernas. Aprendemos que o corpo todo deve estar envolvido numa relação sexual, e que podemos sentir prazer com todas as partes dele. E também que existem centenas de acessórios que podemos comprar para provocar sensações diversas.
Mas podemos ir mais fundo nos significados de "fazer sexo". Se analisarmos as definições acima, podemos considerar sexo todas as preliminares, desde o primeiro beijo. Uma vez que duas garotas estão juntas e existe uma ligação, uma conexão, uma troca, a partir deste momento podemos dizer que o sexo já está acontecendo...

Isso é o mais maravilhoso: perceber que o "fazer sexo" não começa na cama (ou na mesa, no elevador, no chão, dependendo da fantasia de cada uma), mas sim na hora em que o desejo surge. E isso a grande maioria de nós, lésbicas, já percebeu. Porque a natureza das nossas relações faz com que ampliemos nossa visão de sexo e aprendamos a sentir prazer de infinitas outras formas além da tradicional.
Não que todas as relações lésbicas sejam profundas... Mas em todas as relações lésbicas existe, sim, uma ampliação da visão do sexo e do prazer. E isso, por si só, já faz toda diferença.

E é por isso que amo mulheres.

Texto de Dri Quedas.

Link no site do Mix Brasil:
http://mixbrasil.uol.com.br/mp/upload/noticia/2_166_55968.shtml

13 comentários:

Anônimo disse...

Bravo!

Anônimo disse...

não sei como dizer o quanto acho que estás certa!
as pessoas perguntam sempre o mesmo, como se o sexo se resumisse a um pénis.
isso aborrece-me particularmente, até porque demonstra uma certa ignorância por parte das pessoas (ou falta de sensibilidade sexual, nem sei).
bom, tudo para dizer que adorei o texto e que essa criatividade de que falas me parece,isso mesmo, um privilégio.
let it be...poor them;)

Anônimo disse...

Simplesmente maravilhoso. Adorei.

bianca Fontes

Anônimo disse...

Bom....tenho a mais absoluta certeza de que a relação entre mulheres seja ela na cama fisicamente ou no dia dia ,é um DIFERENCIAL entre os relacionamentos comuns que podemos vêr e presenciar como os de heteros.Pois os relacionamentos lesbicos são na sua maioria cheio de respeito,carinho e muito prazer,até mesmo por que uma mulher conhece a outra.
Agora CAMA....é muito dificil vêr um casal com a intensidade que é ao de 2 mulheres,até mesmo porque mulher não faz só sexo, mulher faz amor,troca de prazeres,vivendo o momento com pura intenssidade,uma explora o corpo da outra,não é só o tradicional....

Anônimo disse...

parabens pelo texto ,tem muita gente ai com essas duvidas .obrigada por esclarecer minhas duvidas......sou uma e amo minha namorada e ela me leva a loucura na cama ela é tudo ...

Anônimo disse...

Adorei seu texto eu sempre me envolvi com homens mais sempre tive curiosidade em saber como seria tranzar com uma mulher, pois bem encontrei me apaixonei hoje estamos juntas e felizes e não quero mais saber de homem,porque eles só pensam em se dá prazer e não em dá prazer já sexo com mulheres é diferente porque é mais carinhosa e conhece muito bem nosso corpo posso dizer que nunca ninguém jamais tocou meu corpo e me deu tanto prazer como ela me deu e não digo só em usar a língua para chupar digo um conjunto ela é simplesmente é maravilhosa nunca fiz um sexo tão bom e tão completo como faço com minha namorada ela sabe usar muito bem a língua as mãos os dedos suas caricias são maravilhosas ela foi capaz de descobrir pontos de prazer em meu corpo que nem eu mesma sabia que existia.

Anônimo disse...

Espero um dia fazer amor com essa intensidade de que voces falam só que com o meu grande amor, que é um homem, e nosso sexo nao se baseie em penetracao mas em ternura e sentimento... "fazer amor" n é como "fazer sexo" sexo ta sendo penetracao e amor oq vcs falam

Anônimo disse...

tive um relacionamento lesbico, mas depois dele sempre me relacionei com homens tenho 16 anos e depois q tive um filho, to experimentando de novo aquele frio na barriga q a gente sente na primeira vez, acho q to apaixonada por uma menina

Anônimo disse...

mesmo assim nao sabemos as palavras certas para responder as pessoas que nao entendem aquilo que fazemos na cama... mas foi muito bem explicado o que e uma relaçao lesbica... eu ja me descobri a muitos anos mas de momento ja vivo junta com ela e é demais.... ninguem me conhece tao bem como ela... amo-a muito.... e acredito que muitos homens se começarem a ver mais videos de lesbicas aprenderem como dar prazer a uma mulher.... bjinhas para todas... gostei :)

Lino Abel disse...

bravo!

Camila Perez disse...

Certa vez, vislumbrei de modo claro como seria me relacionar com outra mulher. E, daí me caiu a ficha de que embora eu sinta que sou liberal, e tenho muitas fantasias nesse sentido, no fundo, eu necessitaria mudar uma série de padrões que enraizei ao longo da vida e que definem para mim o que é uma relação. Fiquei espantada diante do quão limitados são os conceitos que carrego desde sempre. E, mais espantada ainda ao pensar no quão reflexiva deve ser a postura de se assumir lésbica ou bissexual para si mesma. Contudo, digo isso ao pensar numa relação com vínculo afetivo, e não apenas uma experiência exótica como parece estar na moda para a maioria das garotas que curtem tirar onda de moderninhas. Sexualmente, contudo, sempre pensei no quão amplas são as possibilidades entre duas mulheres na cama. Especialmente, entre duas mulheres afetivamente ligadas entre si. Mas, ao me colocar diante do complexo bloco que é um relacionamento, me assustei por reconhecer sob quantas crenças a heterossexualidade está embasada.

Anônimo disse...

Ser lesbica é muito legal

CCD disse...

Incrível, mas ainda se vê inúmeros comentários anônimos... Século XXI, segunda década e nehuma mudança significativa... fico pasma. Blogs, informações existem aos montes. Mas o respeito pela mulher passa bem antes pelo respeito dela como ser, independente do gênero e não é o que vemos e vivenciamos neste mundo, especialmente Brasil. mesmo com a lei maria da Penha ainda tem que se dar murro na ponta das facas masculinas. E ainda tem muita mulher machista, que endeusa todo tiopo de homem. O que se conseguiu com o feminismo? Trabalho, mais trabalho....Uma mulher só é independente quando batalha para ser e não se casa. Casou, ferrou! Teve filhos? piorou... é o que minha experiência me diz. Sou promotora legal e o mais difícil é convencer a mulherada que elas são gente e com direitos... que devem se respeitar e se amarem, etc, etc. Super difícil. Agora imagina convencer um homem?! Apoio todo tipo de movimento pela liberdade de vida e expressão. Ninguém tem o direito de dizer como devemos viver e respitando o direito do outro, posso fazer o que quero e gosto e consigo. Gostei do blog, dou maior força! Parabéns!